LEVEZA EM CACHOS TROPICAIS: SEMENTE DE FÊNIX

Leveza e movimento é o que a semente de fênix traz de mais especial para os arranjos que decoram as nossas mesas.

Como prova do nosso encanto por ela, mostramos aqui e aqui alguns exemplos de mesas onde a nossa eleita de hoje dá o ar da sua graça, com um charme despretensioso e uma pitada delicada de frescor.

Para conhecer mais da semente de fênix, contamos com a ajuda do querido colunista Sergio Oyama Junior, que além de colaborar semanalmente com o nosso conteúdo, tem o incrível blog Orquídeas no Apê, um espaço para quem ama as flores! Obrigada, Sergio!

Flor da Semana - Semente de Fênix

Tamareira de jardim, tamareira anã e palmeira anã são alguns dos nomes populares da Fênix, palmeira de pequeno porte bastante utilizada no paisagismo de jardins tropicais. Trata-se de uma planta típica do sudeste asiático, nativa de países como China, Laos e Vietnam.

A palmeira Fênix foi descoberta no século XIX, pelo naturalista Carl Roebbelen. Por esta razão, recebeu o nome científico latinizado de Phoenix roebelenii. Esta planta apresenta a particularidade de possuir indivíduos masculinos e femininos. Portanto, para que haja o surgimento de sementes, é necessário que ao menos um casal esteja nas proximidades. Por causa deste mecanismo, apenas as palmeiras Fênix femininas produzem sementes.

As sementes de Fênix surgem durante o outono, a partir da polinização de pequenas flores amarelas, dispostas em grandes inflorescências em forma de densos cachos. Os frutos são inicialmente esverdeados, assumindo a coloração vinho escuro quando maduros.

Os delicados e ramificados cachos de pequenas esferas, levemente ovaladas, que podem assumir diferentes tons de verde ou vinho, tornam-se um interessante elemento decorativo, fazendo parte da composição de arranjos florais com inspiração tropical.

Esperamos que tenham gostado!

Um grande beijo!

Sergio Oyama Junior é o biólogo, fanático por orquídeas e idealizador do Orquídeas no Apê blog dedicado a essas lindas flores. Neste espaço, Sergio, que é graduado em Biologia pela Unicamp e pós-graduado em Bioquímica pela USP, gentilmente divide conosco um pouquinho do seu vasto conhecimento sobre as mais diversas plantas e flores, incluindo, é claro, as orquídeas.

Deixe uma resposta