A aérea Tillandsia pohliana

Tendência de decoração em projetos minimalistas e elegantes, a Tillandsia pohliana está vivendo o seu momento de glamour e hoje é a nossa estrela na coluna Flor da Semana, alimentada pelo querido biólogo e botânico Anderson Santos.

Versátil, fácil de manter e com um aspecto selvagem e exótico, ela dá ao ambiente um toque natural que adoramos ter por perto!

Tillandsia pohliana

Tillandsia pohliana é uma pequena espécie de bromélia que habita, geralmente, os galhos das árvores, mas também é vista habitando sobre rochas. Tillandsia é o maior gênero da família botânica Bromeliaceae, a família das bromélias, e tem mais de 600 espécies. Para o Brasil são citadas 87 espécies de Tillandsia que, na natureza, podem ser encontradas em quase todos os estados brasileiros, com exceção do Maranhão e Tocantins. A espécie Tillandsia pohliana, conhecida também como Planta-do-ar, pode ser observada, na natureza, nos estados do Ceará, Paraíba, Pernambuco, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. É endêmica da América do Sul, ou seja, na natureza só podem ser encontrada no Peru, Bolívia, Brasil, Paraguai e Argentina.

A Tillandsia pohliana é uma planta com folhas longas em forma de roseta, formando uma espécie de espiral em torno do eixo central. Suas alongadas folhas verdes, são totalmente cobertas por escamas acinzentadas o que confere a elas um aspecto de aveludadas. A planta atinge cerca de 35 centímetros de diâmetro e sua inflorescência, alaranjada, sustenta numerosas e delicadas flores brancas. Após a floração, as plantas adultas produzem pequenos brotos na base das folhas, de modo que, caso a planta não gere frutos um novo descendente permanecerá no lugar da planta-mãe, garantindo a sobrevivência da espécie.

Uma característica marcante da Tillandsia pohliana é que, suas raízes têm como principal função fixar a planta em algum lugar e a absorção de água e nutrientes é realizada através das folhas, cobertas por escamas microscópicas, que desempenham essa função. A espécie se parece bastante com Tillandsia stricta, tendo ambas, inflorescências com formas muito semelhantes e se diferem pelo fato da segunda ser menor e apresentar inflorescência rosada, com flores roxas ou lilases.

O cultivo de Tillandsia pohliana é relativamente simples, a partir do momento que suas mudas são obtidas. São plantas que não exigem muitos cuidados, já que podem viver tanto em pleno sol como em ambientes internos. Não necessitam, sequer, de vasos para serem plantadas e podem ser fixadas em telas, paredes, grades e superfícies onde seja possível mantê-las sem o contato direto com qualquer tipo de solo. Se forem plantadas em vasos, por exemplo, a água presente no solo pode apodrecer suas folhas. As regas podem ser regulares, em dias alternados e com um borrifador. A adubação pode ser feita duas vezes ao mês com produto hidrossolúvel para orquídeas, utilizando-se 1/3 da dosagem recomendada pelo fabricante diluída em um litro de água.

Tillandsia pohliana se tornou um objeto de desejo de muitos colecionadores de plantas, por sua versatilidade no cultivo e facilidade de adaptação em diferentes ambientes.

Esperamos que tenham gostado e aproveitamos para contar sobre o projeto lindo do nosso colunista, a Escola de Botânica, que leva o ensino da botânica para quem estiver interessado e onde for!

Um beijo!

Deixe uma resposta