MIMO-DO-CÉU

Pequena e delicada, a nossa eleita de hoje é a Mimo-do-céu, flor que embeleza uma planta trepadeira nativa do México tão bem adaptada ao nosso país, que acabou se tornando muito popular e querida por aqui! Para decorar a nossa casa, seja em um arranjo ou mesmo alegrando as paredes da varanda, a Mimo-do-céu pode ser uma ótima opção!

Ela cresce e vai tomando o seu espaço com uma dinâmica natural e complexa que vamos entender melhor com a ajuda do biólogo e botânico Anderson Santos, o nosso colunista da seção Flor da Semana e que nos conta aspectos e outras curiosidades que não podíamos imaginar sobre a Mimo-do céu!

mimo do ceu flor

Mimo-do-céu é uma planta com folhas extremamente delicadas, pertencente à família botânica Polygonaceae. Curioso é saber que nesta mesma família botânica é classificada uma espécie de Coccoloba, cujas folhas são apontadas como as maiores dentre os vegetais, medindo até 2,5 metros de comprimento. O nome científico do Mimo-do-céu é Antigonon Leptopus e conhecida popularmente por outros nomes, nos mais diferentes lugares do Brasil, como Amor-agarradinho, Lágrima-de-noiva, Cipó-mel e Amor-entrelaçado. É nativa do México, mas se adaptou muito bem ao clima brasileiro.

O Mimo-do-céu é uma planta trepadeira, cujos ramos se estendem sobre outras plantas ou se apoiam em superfícies. Apresenta o porte de planta arbustiva, pois seus ramos finos derivam a partir de um eixo central fazendo com que ela consiga se desenvolver e ocupar grandes áreas. As folhas são verdes e cordiformes, ou seja, têm forma de coração. As grandes inflorescências apresentam numerosas flores pequenas e de coloração que varia entre o branco e o cor-de-rosa e são polinizadas principalmente por abelhas. Por ser uma planta trepadeira, apresenta uma estrutura vegetal característica desse tipo de vegetal, as gavinhas, que têm como função agarrar ramos, galhos em qualquer outro objeto que sirva de apoio para a planta em crescimento. As gavinhas parecem molas que, crescem até entrarem em contato com alguma superfície e quando isso ocorre elas são forçadas a curvar-se em volta do local onde houve o contato, agarrando-o, podendo ser uma outra planta ou um muro, por exemplo.

Considerada uma planta nectarífera, ou seja, produz néctar, Antigonon leptopus é muito cultivada por apicultores em todo o Brasil. A inflorescência com um grande número de flores, serve como um verdadeiro banquete para as abelhas produtoras de mel, que encontram nela uma grande quantidade de néctar. A atividade de criação de abelhas é totalmente ecológica, porém para haver sucesso é necessário que, próximo aos apiários existam plantas que produzam néctar suficiente para que as abelhas possam ter um bom desenvolvimento e consigam produzir mel. Diversas pesquisas realizadas no Brasil apontam que o Mimo-do-céu é uma das espécies vegetais mais indicadas para compor a área verde dos apiários, visto que produzem flores quase todo o ano e apresentam flores duradouras.

O cultivo pode ser realizado através do plantio de sementes ou o plantio de mudas. Se forem usados ramos flexíveis, os mesmos podem ser colocados diretamente no solo onde enraizarão com facilidade. Em todos os casos, o solo deve ser rico em matéria orgânica e as regas regulares, mantendo o solo úmido, mas nunca encharcado. O melhor desenvolvimento é notado quando a planta está em pleno sol, sendo uma excelente trepadeira usada para cobrir locais ensolarados. Como os ramos se estendem para todos os lados é importante conduzir o desenvolvimento da planta através de podas ou direcionando os ramos e conectando-os em locais desejados. Em áreas naturais o Mimo-do-céu pode se tornar uma planta invasora, visto a sua capacidade de se projetar sobre outras plantas.

Esperamos que tenham gostado do nosso mimo de hoje! E para visitar a nossa galeria completa Flor da Semana, cliquem aqui!

Beijos!

Deixe uma resposta