UM CHARME DELICADO: TANGO

Tango é apenas um dos nomes da nossa protagonista desta semana. A florzinha delicada e fácil de se multiplicar pode ficar linda em arranjos à mesa e outros cantinhos da casa, emprestando um charme simples e especial, que encanta qualquer ambiente. Nós a adoramos e usamos em nossa produção de Páscoa deste ano. Para quem ainda não viu esta mesa, basta clicar aqui!

Quem nos conta um pouco mais sobre a Tango, é o nosso colaborador, biólogo e botânico Anderson Santos. Ele é tão apaixonado pelo assunto que, além de pesquisas científicas, desenvolve joias com as formas da natureza em seu projeto Cryptanthus. Agora, vamos aos detalhes da nossa Flor da Semana?

Flor tango

Tango, Vara-dourada, Haste-Canadense, Haste-Dourada-Canadense, é uma planta pertencente à família botânica Asteraceae, a mesma da margarida e girassol. É nativa da América do Norte (Canadá e Estados Unidos, mas ausente na Carolina do Sul, Geórgia, Flórida, Alabama, Louisiana e no Havaí). O nome científico é uma referência ao habitat nativo desta espécie, Solidago Canadenses.

É uma planta rizomatosa, ou seja, apresenta rizoma. Rizoma é tipo de caule que na maioria das vezes se apresenta subterrâneo. Ao contrário da maioria das plantas que têm um caule ereto, nas plantas rizomatosas, o caule cresce horizontalmente, abaixo do solo. Outras plantas que apresentam caule rizomatoso são as gramas, o bambu, a bananeira, o gengibre. Quando um pedaço de grama, por exemplo, é puxado do solo, geralmente, é possível notar a presença de uma longa e rígida estrutura conectada às folhas.

Por apresentar rizoma, o tango, tem uma grande facilidade de propagação. Essa característica fez com que se tornasse uma planta classificada como invasora, em áreas onde ela não é nativa. O caule vai crescendo na parte subterrânea do solo e as folhas aparecem à medida que a planta vai se desenvolvendo e se propaga com facilidade, por não depender da semeadura para que novos ramos com folhas e flores se desenvolvam.

Foi introduzida na Europa em 1645 e na China em 1930, em jardins botânicos e, rapidamente utilizada por jardineiros por apresentarem boa adaptabilidade e crescimento rápido e, dessa forma, se espalhou pelos continentes, nos mais diferentes habitats. No Brasil, Solidago chilensis, espécie muito parecida com a referida espécie de tango, é tida como planta invasora. O cultivo no território brasileiro foi iniciado no meio da década de 1990, o que é considerado relativamente recente e os produtores ainda convivem com dificuldades no cultivo da espécie, pois existem poucas informações técnicas e científicas sobre a produção e o manejo da cultura.

As plantas adultas apresentam entre 0,80 e 1,20m de altura com inflorescências terminais que surgem, no Brasil, entre o outono e inverno. As inflorescências apresentam uma haste central, estreita, em forma de lança, com numerosas flores pequenas e amarelas. Os principais insetos que polinizam o tango são as abelhas e borboletas. Atualmente, o cultivo em grande escala e em diferentes partes do Brasil garante a produção de flores de tango durante quase todo o ano.

Para quem ama flores e plantas, gostaríamos de lembrar que toda quarta-feira temos a coluna Flor da Semana. Por isso, os convidamos para uma visita à nossa galeria Dicionário das Flores, com mais imagens e informações sobre outras espécies, cliquem aqui!

Esperamos que tenham gostado!

Um beijo!

Deixe uma resposta