CHÈVRE & GRAPE LOLLIPOPS

Tivemos o prazer de encerrar o ano de 2014 com um encontro entre amigos recheado de comidinhas gostosas do Zest in The Box. Mostramos a vocês aqui tudo o que aconteceu naquele dia.

Ali fomos apresentadas a uma gostosura sem fim – o Chèvre & Grape Lollipop – e, desde então, não demos sossego aos queridos Juliano Cordeiro e Dani Kishimoto, do Buffet Zest, até que eles dividissem conosco a receita dessa saborosa uva envolta em queijo de cabra e amêndoas.

lollipos chevre grapes banner

Receita testada e aprovada – preparamos os Lollipops para este jantar em comemoração ao Valentine’s Day – hoje nós a dividiremos com vocês por aqui.

Vamos lá?

Os ingredientes estão abaixo e a quantidade sugerida serve 6 pessoas:

lollipos chevre grapes

Modo de preparo:

1. Pré-aqueça o forno a 180 graus. Coloque as amêndoas laminadas em uma assadeira e deixe-as dourar no forno de 10 a 12 minutos ou até que estejam totalmente douradas em ambos os lados. Retire do forno e deixe esfriar.

2. Envolva as uvas no queijo de cabra. Para facilitar, faça pequenas bolinhas com o queijo de cabra, coloque uma uva sobre cada uma delas e vá moldando o queijo em volta até que a uva fique totalmente coberta.

3. Passe as bolinhas de uva e queijo de cabra nas amêndoas já frias e crocantes, até que se forme uma crosta externa.

4. Sirva as bolinhas espetadas em palitinhos decorados apoiadas em um leito de amêndoas, fica uma graça!

Para terminar, uma dica do chef Juliano Cordeiro que sabe, como ninguém, tornar um prato delicioso ainda melhor: sirva os Lollipops acompanhados de geleia de vinho tinto ou redução de balsâmico.

Pronto! Vocês já têm um aperitivo delícia, fácil, fácil de preparar, para receber os amigos e a família no final de semana.

Um beijo!

TEA TIME

Chá. A infusão de folhas, frutas ou ervas aromáticas e água fervendo. Simples assim, certo? Não mesmo…O chá é muito, mais muito mais que isso.

Sob a nossa perspectiva, o chá é um delicioso ritual que serve para relaxar, embalar agradáveis conversas, aquecer o corpo e, sobretudo, a alma.

Segundo consta, tudo começou no Século XIX, quando a Duquesa de Bedford passou a fazer uma leve refeição antes do jantar em sua suíte no Castelo de Belvoir – naquela época, eram servidos apenas o café da manhã e o jantar com um longo intervalo entre um e outro, o que, inevitavelmente, deixava as pessoas com fome.

Aos poucos, a Duquesa de Bedford passou a convidar seus amigos para compartilhar aquele momento com ela e assim, em torno de laços de amizade e de boa companhia, nasceu uma tradição.

Tradição esta que a Vestindo a Mesa fez questão de homenagear com a mais absoluta graça e delicadeza ao lançar a Coleção Flores Silvestres by Zanatta, que apresentamos hoje a vocês em primeira mão.

tea time1. Pratos | 2. Açucareiro | 3. Xícaras | 4. Descanso de talher | 5. Manteigueira | 6. Bule | 7. Boleira | 8. Porta-guardanapo.

Toda feita e pintada à mão, a Coleção Flores Silvestres encanta igualmente anfitriões e convidados e cria a atmosfera perfeita para um saboroso chá entre amigos – além de, claro, tornar o café da manhã ainda mais especial.

Impossível não se apaixonar perdidamente pelo papagaio pousado sobre um galho todo florido que adorna o bule, as xícaras, o açucareiro, a manteigueira, o porta-guardanapo e o descanso de talher.

A boleira com um delicado ramo de flores é perfeita para servir um bolo gostoso, petit fours, folhados, cupcakes e outras comidinhas típicas da hora do chá. E, claro, não poderiam faltar os pratos combinando com os demais itens da coleção.

Gostou da ideia? É só clicar aqui, aqui e aqui para receitas divinas de bolos de limão, laranja e nozes com canela. Para quem preferir cupcakes, a receita também está aqui.

Uma das regras de ouro do ritual do chá é a de que ele deve ser servido pessoalmente pela anfitriã ou pelo anfitrião, como um gesto de carinho – exceto quando há muitos convidados, ocasião em que a honra de servir o chá pode ser dividida com alguns amigos mais próximos.

Não é à toa que foi em torno de boas amizades que a tradição do chá cresceu e se propagou e tampouco foi sem verdade que Henry James, em The Portrait of a Lady, afirmou que há poucas horas mais agradáveis que aquela dedicada à cerimônia conhecida como o chá da tarde.

Um beijo!

O PERFUMADO EUCALIPTO

Nesta semana, mostramos a vocês aqui uma mesa pensada para uma comemoração muito especial. Sobre ela, múltiplos arranjos levando tulipas, orquídeas chocolate, saudade, cúrcuma, flor do campo e folhas de eucalipto.

Essas delicadas e perfumadas folhas chamaram a nossa atenção, razão pela qual procuramos o querido Sergio Oyama Junior, do Orquídeas no Apê, procurando saber um pouco mais sobre o eucalipto.

image-blogCrédito da foto: http://www.refinery29.com/floral-arrangements#slide-4

O eucalipto pertence à família das mirtáceas (Myrtaceae), a mesma da pitangueira, da goiabeira e da jabuticabeira. Há várias árvores e arbustos de diferentes gêneros – como o Eucalyptus, Corymbia e Angophora – conhecidos simplesmente como eucalipto, quase todos eles provenientes da Austrália.

No entanto, atualmente o eucalipto é cultivado em todo o mundo, tanto em países de clima tropical como nos de clima temperado, principalmente em razão de sua importância na produção de madeira e carvão e de sua relevância para a indústria de papel e celulose.

As folhas do eucalipto produzem um óleo com múltiplas propriedades, que vão desde a composição de produtos de limpeza, repelentes de insetos e antissépticos, até a utilização em fórmulas cosméticas e farmacêuticas. O óleo de eucalipto também é bastante utilizado para aliviar os sintomas de doenças respiratórias, graças à sua ação expectorante, antisséptica e anti-inflamatória.

E o eucalipto também produz graciosas flores a partir das quais é extraído um mel com propriedades expectorantes. Curiosamente, essas flores não têm pétalas aparentes. Aliás, o nome eucalipto vem do grego eu (bem) e kaluptos (cobertura), em referência à forma da flor, cujas estruturas reprodutoras ficam cobertas e protegidas.

Além de tantas funções e possibilidades de uso, as perfumadas folhas do eucalipto ainda ficam lindas na composição de arranjos, não é mesmo?

Um beijo!

Sergio Oyama Junior é o biólogo, fanático por orquídeas e idealizador do Orquídeas no Apê, blog dedicado a essas lindas flores. Neste espaço, Sergio, que é graduado em Biologia pela Unicamp e pós-graduado em Bioquímica pela USP, gentilmente divide conosco um pouquinho do seu vasto conhecimento sobre as mais diversas plantas e flores, incluindo, é claro, as orquídeas.

Voltar para o topo